Biografia Alfredo Ceschiatti

Entre pombas e anjos

Filho de pais italianos, Alfredo Ceschiatti nasceu em 1918 em Belo Horizonte. Por volta de 1940, faz uma viagem à Itália onde descobre Miguel Ângelo e os pintores da Renascença. Em seu retorno, ingressa na Escola Nacional de Belas Artes no Rio, decidindo-se aí, definitivamente, pela escultura. Corrêa Lima é seu professor, e recorre ainda, como orientadores, a Campofiorito, Lélio Landucci e Ubi Bava. Porém, abandona o curso no 3º ano.

Em 1943, participando do Salão Nacional, ganha a Medalha de Bronze, e em 1944, a Medalha de Prata. Em 1945, atendendo ao convite de Oscar Niemeyer, realiza o baixo-relevo para a Igreja de São Francisco de Assis, em Pampulha. Com essa obra, ganha o Prêmio de Viagem ao Estrangeiro. Permanece na Europa até 1948, quando volta e expõe no Rio, no Instituto de Arquitetos. Participa ainda da II Bienal de São Paulo e do II Salão Nacional de Arte Moderna.

Em 1956 vence o concurso para o Monumento aos Mortos da II Guerra Mundial, que se cristaliza em cartão postal do Rio, assim como mais tarde “As Banhistas”, instaladas nos jardins do Palácio da Alvorada, em Brasília. A convite do arquiteto Oscar Niemeyer, de quem é colaborador constante, executa ainda em Brasília, os magníficos anjos da Catedral e a escultura “Justiça” em granito, em frente ao Supremo Tribunal Federal, na Praça dos 3 Poderes.

Professor na Universidade de Brasília, até 1964, por ocasião de seu fechamento, da qual se demite solidário com os demais docentes, durante seus dois anos e meio de exercício, foi professor extraordinário, estabelecendo um clima de grande entusiasmo e empenho entre seus alunos.

Suas magníficas, sensuais esculturas podem ser vistas em Berlim – no conjunto residencial projetado por Oscar Niemeyer -, na Praça Patriarca em São Paulo, na Embaixada Brasileira, em Moscou, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, e em várias coleções particulares.

Resumo biográfico publicado no livro Integração das Artes, do Memorial da América Latina, de 1990, na pág.113.

voltar para pomba

Leia mais depoimentos sobre Ceschiatti