Música latino-americana

Música é uma prática cultural e humana que contém aspectos históricos, geográficos e atributos afetivos. Está associada ao contexto cultural propiciando diferentes estilos, abordagens e concepções do papel que exerce na sociedade, agrupando elementos de um grupo social, de uma região ou de uma época.

 

A rica multiplicidade da música latino-americana, também conhecida como “música latina”, inclui a música de todos os países que conforma essa região, com um “mix” de influência que combina elementos de música indígena, africana e clássica européia, e se apresenta através de vários gêneros e com uma gama enorme de compositores e intérpretes, se desenvolvendo do México ao sul da América do Sul como um “blend” de mistura de raça, religião e elementos culturais desde o tempo pré-colombiano até os dias de hoje.

 

A música latina se apresenta através de vários gêneros: da música simples rural do norte do México à habanera sofisticada de Cuba; das sinfonias brasileiras à flauta andina de melodias simples e comoventes da cordilheira dos Andes. Sua expressão rítmica é muito forte e bifurca-se através dos cantos em língua espanhola e portuguesa, e essa diversidade está distribuída na região como salsa, merengue, mambo, bolero, tango, rumba, calipso, chá-chá-chá, samba, bossa-nova, além do jazz latino, bem como pela música de cunho clássico e sincopado de Heitor Villa-Lobos e do argentino Astor Piazzolla.

 

Uma gama enorme de intérpretes e compositores de talento e competência se difundem, não só no território latino-americano, como também no panorama musical mundial; pode-se  destacar alguns de seus representantes: os brasileiros Cartola, Ary Barroso, Noel Rosa, Pixinguinha, João Gilberto, Tom Jobim, Heitor Villa-Lobos, Chico Buarque de Holanda, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Milton Nascimento e Elis Regina; os argentinos Mercedes Sosa, Charly García, Astor Piazzolla e Gato Barbieri; os chilenos Victor Jara e Violeta Parra; os cubanos Celia Cruz, Pablo Milanés, Buena Vista Social Club, Ibrahim Ferrer, Omara Portuondo, Paquito D´Rivera; a costarriquenha Chavela Vargas; os mexicanos Armando Manzanero, Trio Los Panchos, Libertad Lamarque e a peruana Yma Sumac.

 

No Brasil, a Fundação Memorial da América Latina, desde a sua inauguração, em 1989, organiza séries de programas especiais para promover a música latino-americana e ampliar a sua difusão. Assim, pode-se citar alguns artistas como Tom Jobim, Astor Piazzolla, Paquito D´Rivera, Trio Los Panchos, Libertad Lamarque, Celia Cruz e Yma Sumac, entre outros, que estiveram no Memorial.

A Série “Conexão Latina”, criada em 2006, faz parte dessa programação e tem como principal objetivo detectar afinidades musicais entre artistas latino-americanos, propiciando um diálogo entre um artista de língua portuguesa com outro de língua espanhola, evidenciando o que há de comum entre suas culturas. Desde sua criação, a série já permitiu encontros como o do argentino Atílio Stampone e do brasileiro Ulisses Rocha; do grupo chileno Illapú com os brasileiros Kleiton e Kledir; do paraguaio Rolando Chaparro com o brasileiro Renato Borguetti; do argentino Juan Falú com o brasileiro Yamandú Costa; e do quarteto uruguaio Tungue-Lé com o brasileiro Luiz Melodia. A partir dessas práticas é possível promover a música latino-americana, suas raízes e sonoridades.

 Alguns destaques da música latino-americana podem ser consultados abaixo:

Outros informações sobre o tema podem ser pesquisadas no website da Biblioteca Virtual da América Latina – BV@L   www.bvmemorial.fapesp.br

Crédito: Pesquisa/texto: Maurício Soares Rahal, Jacqueline Santiago

Coordenação da BV@L e temáticas: Marcia Rosetto

Referências bibliográficas:   Enciclopédia contemporânea da América Latina e do Caribe. São Paulo: Boitempo Editorial, 2006; Logan, Jack. Music of Latin América.

Disponível em: http://trumpet.sdsu.edu/M151/Music_of_Latin_America1.html.

Acesso em: 12/11/2008.